sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Grupo Thaetro, dia 14 as 18 hs.




TEXTO: Amazônia em Guerra.
SEGMENTO: Comédia.


SINOPSE: O texto  utiliza a linguagem da comédia para fortalecer ações ressonantes em defesa da preservação da Amazônia, onde os espíritos da mata são despertados para liderar uma batalha em defesa da floresta, dilacerada física e culturalmente pelas inúmeras agressões ambientais. Seres mitológicos são convocados para fazer parte dessa luta contra o desmatamento. No espetáculo o universo feminino é evidenciado, através dos mistérios que envolvem a intuição da mulher amazônida  e suas crenças nascidas no interior da mata.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Eu Chovo, tu choves, ele chove do Grupo Ver-o-Riso de Castanhal. 14 hs do dia 14 de setembro.

             
  “Eu chovo, tu choves, ele chove”, é um texto fascinante de Sylvia Orthof que com sensibilidade e uma visão precisa do universo infantil, nos oferece um teatro como arte coletiva, com funções não somente de entreter, mas também de educar. Sylvia consegue envolver a todos, crianças e adultos nessa história fantástica que envolve um Chuveiro Ditador que acredita ser melhor que os outros (Pingo de Chuva, Sereia, Manuseador de Boneco, Boneco Chuvisco, Príncipe Elefântico, Elefantinho, Ovo Bonifácio, Ova de Peixe, Atrizes, Tia Nuvem, Sol e Galinha D’Angola). Será que no final o patrão Chuveiro vai se dar bem nessa história?
               A CIA Trem das Artes para homenagear essa genial escritora mantém na integra a proposta de seu texto e condensa a obra com ritmos, músicas, instrumentos e cantorias, nas vozes dos próprios atores. Proporcionando ao grande público revolver em suas memórias, as brincadeiras de infância e a matar saudades dos banhos de chuvas da nossa região Amazônica.

FICHA TÉCNICA
Direção: Roberto Marques
Assistente De Direção: Socorro Sena
Produção: Elineide Silva, Evalmir Paixão, John William
Texto: Sylvia Orthof
Músicas: Cirandas, Sons de chuva e O reino das águas claras – Jorge Vercilo

ELENCO:
Baia Sena - Pingo de Chuva
Eduardo Batata - Chuveiro Ditador
Kamila Freitas - Sereia
Lauana Alves - Manuseador de Boneco e a Tia Nuvem
Gisele da Silva - Boneco Chuvisco
Rodrigo Nascimento - Príncipe Elefântico
Alice Quintal – Elefantinho, Ovo Bonifácio e uma atriz
Evila Moreira - Ova de Peixe
Eduard Silva – um ator
Larissa Lorrane – uma atriz, Manuseadora de Boneco
Paulo Cruz - Sol
Cecília Manoela - Galinha D’Angola
Musicista Elissouam Barros - Boneco Trovão



Espetáculo, HIV, Solidão a meia Noite, da Companhia Mistura Nativa de Tomé-Açu.




Espetáculo que fala sobre a questão da AIDS, situação social, sexual, e tipo de relações que o portador adquiriu, suas frustrações, medos, preconceitos, discriminação e a reação das pessoas próximas quando sabem da notícia.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Comédia Nós Dois, Companhia Luzes, dia 14 as 03hs.




COMÉDIA ADULTA

            Crises conjugais comuns é o assunto de Nós Dois, espetáculo encenado pela Companhia de Teatro Luzes. No palco um casal que fala de suas inseguranças, ciúmes e traições.
            No espetáculo os atores cantam e dançam, falam de situações hilárias do cotidiano de Belém, políticos, autoridades, artistas, sempre com total humor.
            Os personagens pertencem à classe média, pois é mais real, para os problemas conjugais, amores e desavenças, sempre comuns em qualquer situação.
            No texto o casal, mostra que por mais diferente sexualmente suas relações os problemas são os mesmo, isso ocorre sempre que duas pessoas estão se relacionando.
            O espetáculo devido usar as mais diversas palavras e gestos, não é aconselhável para pessoas menor que 14 anos.

            No elenco: Fernando Rassy e Alethéa Maciel.
            Sonoplastia: Vicente Farias
            Iluminação: Maria Alves
            Administração: Cia. Luzes
            Direção: Fernando Rassy

Grupo Panada de Tucuruí, dia 14 s 09 hs.



SONHE COM OS ANJINHOS

Grupo: Panada
Direção: Nil Nascimento
 A Companhia de Teatro Panada existe há 09 anos no município de Tucuruí foi criado em 2001 através de resultados de oficina intermunicipais de teatro. No decorrer deste tempo fez diversas montagens teatrais, tanto esquetes como espetáculos, entre os quais podemos destacar: UM ASTRAL DIFERENTE, MOMENTOS e SONHE COM OS ANJINHOS.
‘’SONHE COM OS ANJINHOS’’ Sebastião é um menino de comportamentos bem levado, durante um sonho encontra com o diabo, que o julgará pelo seu comportamento levado. No meio desse todo surge o anjo Gabriel que irá defendê-lo, mais o resultado desse julgamento você saberá somente no final deste espetáculo.

Grupo Tema, dia 14 as 1 hs.




A BONECA NEGRA

Grupo: Tema
Direção: Sérgio Luz
Texto baseado no livro “o caso da boneca negra” do escritor José Artheiro, busca ser um elo entre as personagens do livro, que na peça ganham vida, para mexer com a imaginação dos expectadores levando-os a refletir sobre um tema, que ainda é uma barreira para a sociedade (o preconceito), que na peça é tratado de forma lúdica, com linguagem acessível aos ouvidos infantis, figurino colorido e maquiagem alegre, põe em xeque a questão da raça, do preconceito vivido por Negrita uma boneca de pano que sofre com a discriminação dos outros brinquedos ao chegar a seu novo lar. Entre idas e vindas, os brinquedos resolvem decidir através de um julgamento se a boneca negra na caixa de brinquedos junto com eles.

Grupo Aruart de Curralinho, dia 13 as 16 hs.



A VILA DESCABAÇADA

Grupo: Aruarte
Direção: Jonas Pinheiro
A Vila Descabaçada retrata a história de um lugar caboclo do interior, mas especificamente de uma pequena vila onde acontece de tudo. Começa com um porre que é quem conta toda a história da vila e nela há uma fofoqueira que vê tudo o que acontece, nela também moram uma família com pai, mãe e dois filhos, um padre, uma delegada, um pajé, um casal de noivos e o marido da fofoqueira que é um pescador. Nela há também a iara e a cobra grande. A iara que em um primeiro momento tenta levar o porre, mas não consegue, em um segundo momento encanta e leva o marido da fofoqueira (pescador) e em um terceiro momento finalmente encanta e leva o porre. A cobra grande encerra a história entrando na igreja, pois há uma lenda em nosso município que diz o seguinte: “Que embaixo da igreja matriz mora uma cobra grande e se algum dia ela sair de lá a cidade será inundada. A filha é a descabaçada que ao ir à beira do rio encher água em uma cabaça de barro pra mãe e ao voltar o noivo passa apressadamente para seu casamento derruba a cabaça e a quebra e seu pai faz uma confusão com toda a história ao pensar que sua filha estivesse sido desonrrada. E com isso a família vai até a delegacia para denunciar o ocorrido e ao chegar na delegacia eles percebem que haverá um casamento na frente da igreja e no meio da casamento a fofoqueira e o porre entregam que o noivo espocou a cabaça de uma menina da vila, e a noiva desiste de casar. Diante disso, a filha descabaçada mostra ao pai o rapaz que espocou a cabaça e o pai o traz para a delegacia e a delegada o prende, mas o pai quer que a delegada case ele com a filha e a delegada manda chamar o padre, ao final do casamento a filha desvenda que a cabaça era de barro e em seguida a festa do rala-bucho, após entra o pajé para tentar trazer de volta o marido da fofoqueira encantado que se lamenta por que a iara o levou e durante o desencantamento a iara aparece e leva o porre e a cobra entra encerrando o espetáculo.

Grupo Raízes dia 13 as 13 hs.



O MACACO MALANDRO EM UMA NOITE DE NATAL

Grupo: Raízes
Direção: Marcos Vinícius
O Grupo Raízes Marajoara foi fundado no dia 26 de novembro de 2007, no auditório da radio Boa Vista, tendo como seu principal objetivo, regatar e divulgar a cultura local, com suas diversidades culturais. O grupo atualmente conta com 25 integrantes.
O MACACO MALANDRO EM UMA NOÍTE DE NATAL... Conta de forma engraçada, às aventuras do Tigre e do Lobo, se preparando para mais uma noite de Natal. Noite q também conta com os doces encantos da Chapeuzinho vermelho, e as malandragens de um Macaco esperto. Mas ao final de muita confusão e desentendimentos, todos passam a perceber o verdadeiro significado do espirito natalino, menos o Macaco, que tenta se aproveitar da situação para querer se dar bem. Fim!

Espetáculo O Macaco que não é Prego de Santa Luzia do Pará, dia 14 as 10 hs.





O MACACO QUE NÃO É PREGO

Companhia: MAMBEMBE
Direção: HERMÓGENES GOMES

Há mais de 20 anos existira em Santa Luzia do Pará, um movimento de jovens revolucionários que para galgar seus objetivos utilizava-se de dramatizações para... a atenção do povo. Por volta de 1883 formou-se o movimento jovem que a partir de então passou a realizar todos os anos a dramatização da paixão de cristo por ocasião da semana santa. O que começou a mudar apenas no ano de 2001, quando o jovem Raimundo Nonato assumiu a coordenação. Em 2005 o jovem Hermógenes Gomes assumiu a presidência. Desde então as coisas foram mudando, se profissionalizou em 2009 cadastrando seu CNPJ.  Foi eleito o melhor grupo da III mostra de teatro do nordeste do Pará. Hoje a companhia está com dois espetáculos em cartaz e faz parte da FACES.
O MACACO QUE NÃO É PREGO uma fabula que conta a história de três animais da floresta que estão passando por dificuldades para se alimentarem e diante do problema o enredo se desenvolve com uma linguagem bem alegre.

Espetáculo Saltibancos de Santo Antonio do Tauá, dia 3 as 2 horas.


sexta-feira, 22 de agosto de 2014

A Lenda da Espada de Prata dia 13 de setembro as 10 hs.



A LENDA DA ESPADA DE PRATA

1.108  APRESENTAÇÕES


                               Completando 21 anos em cartaz, com um CD e  DVD sobre o espetáculo A LENDA DA ESPADA DE PRATA.
                        O espetáculo  já conquistou,  mil apresentações.
                         O espetáculo conta a história  de um bruxo que rapta a espada de prata, de um príncipe e ao mesmo tempo joga-lhe um feitiço que o transforma em bode, onde o bruxo para utilizar o poder da espada precisa que receba de uma menina pura, daí o espetáculo se desenvolve onde o bruxo tenta colocar para esta menina (feiurinha), os conceitos todos trocados de belo e feio, certo e errado, honestidade, humildade, sempre com muito humor.
            No desenvolver do espetáculo tem cenas com marionetes. O cenário é uma grande floresta, dividida entre o bem e o mau, com direito a caldeirão e tudo.
            O Companhia LUZES, já lançou o DVD, onde as crianças podem  assistir  o espetáculo com toda a sua magia, e já alcançou a venda de 8 mil unidades. Lançou também uma Revista de pintura, do cenário, figurino, adereços cênicos, jogos, tudo sobre o espetáculo para as crianças após assistir o mesmo, reproduzir o que foi visto pintando.
                        Elenco: Ricardo Rocha, Auricélia Gomes e Fernando Rassy
            Sonoplastia:  Maria Alves.
            Iluminação: Maria Alves.                                                                               
            Direção: Fernando Rassy
                                                                                        
Site: www.cialuzes.kit.net
E-Mail: cialuzes@globo.com

Contato: 9619-2363                                                                                                                                                                  

O Circo Rataplan, dia 13 de setembro as 10 hs.



O Grupo Teatro Experimental do Mosqueiro,  apresenta o espetáculo infantil “O Circo Rataplan” de Pedro Veiga  com  direção de Agenor Del Valle e Música de Alcyr Guimarães.
O espetáculo conta a emocionante história do que se passa nos bastidores de um circo, mostrando a convivência entre homens e animais, a superação da bondade e união sobre a violência e o verdadeiro sentido da amizade.

O grupo fez a primeira montagem do espetáculo com a direção de Albertinho Bastos e agora volta em cartaz, pelos teatros de várias cidades do Estado do Pará. Com uma nova roupagem e com novo elenco, dentre eles: Augusto Jr. (Dom Furioso), Antônio Começanha (Mágico Fuligem), Ewerton D’Paula . (Macaco Simão), André Belliér. (Coelho Cenoura), Márcio Limma. (Urso Tedy),Tatiane Evelem. (Onça Me Deixa), Vitória Del Valle. (Bailarina Deisy), Anselmo Azevedo. (Palhaço Rataplan). O espetáculo já está em cartaz à (12anos). Sempre levando alegria ao público em geral. 

Espetáculo Bar do Parque, em duas sessões, dia 13 as 22 hs e dia 14 as 21 hs.



BAR DO PARQUE

Montagem da Federação Estadual de Teatro.
Direção: Fernando Rassy
O Espetáculo é uma montagem que tem a participação de atores de nove municípios, como forma de oficina de montagem com os protagonistas e diretores. O musical Bar do Parque é baseado em fatos verídicos do que aconteceu e ainda acontece em um Bar frequentado pelos mais variados tipos de pessoas e que tem uma circulação turística, onde pessoas de outros estados e países sempre vão tomar uma cerveja, para ver e conhecer o ambiente. No cenário retratamos o quiosque, suas mesas, a frequência constante das prostitutas e garotos de programa. As músicas são uma homenagem aos nossos artistas que muito criaram sobre a noite paraense e sobre o Bar do Parque. Ao todo somos 21 no elenco com uma técnica de seis pessoas.


O Pescador de lembranças dia 13 de setembro as 17hs.

              



                     O PESCADOR   DE    LEMBRANÇAS

O espetáculo que conta através da magia no mundo fantástico do Teatro, que é trazer de volta as lembranças do nosso imortal Mestre Lucindo, que através de toda poesia que é a obra da vida deste encantado mestre de Marapanin.
O Pescador que mora com sua irmã Amara, receberá uma importante encomenda pescar para o Tempo e Memória as Lembranças de mestre Lucindo, nesta jornada , nosso herói “o pescador “ vai se aventura correndo as margens do nosso imenso interior, contando com a força de todos aqueles que precisam do amor pela nossa cultura para continuarem vivos.
O tempo e a Memória precisam resgatar essas lembranças de Lucindo para continuarem juntos por toda existência. E isto só será possível através da união de todos aqueles que fazem parte dessa linda historia da vida de mestre Lucindo, vai ser então que nosso pescador irá encontrar pela sua magica viagem, a Lua, a Estrela, a Saudade, Mar e Maré, Samaumeira e Castanheira e aquele que sempre tenta levar de nós essa magica lembrança de todas as coisas boas que devemos guardar para sempre, o Esquecimento.
Vamos juntos Pescar as lembranças de Mestre Lucindo e guarda essas Lembranças através do Tempo em nossa Memória.
            O espetáculo é baseado na vida do Mestre Lucindo, suas obras do carimbo de Marapanim, é um texto que nos faz não esquecer a nossa história e os grandes nomes da cultura paraense.
A montagem tem diversos personagens imaginários, onde o Tempo e a Memória procuram um menino pescador, para sair pelo mundo à procura das memórias de Mestre Lucindo, onde a Lua, Estrela, Mar, Maré, Saumaumeira, Castanheira e a Saudade, são personagens que iram ajudar o menino pescador em sua busca, pois se conseguir pescar as lembranças de Mestre Lucindo ele e sua irmã Amara, poderão rever por alguns instantes seus pais já falecidos, como forma de recompensa.
Com muita coreografia do nosso carimbo e dançarinos selecionados por um júri para realizar algumas coreografias que hoje os grupos paraenses fazem em suas apresentações, claro que diante deste musical só ao som de um bom curimbó para abrilhantar a montagem.
Direção: Fernando Rassy
Figurino: Chagas Franco
Texto: Carlos Correia Santos
Classificação: Todas as idades.

Espetáculo Victória dia 14 de Setembro as 12hs, no projeto Teatro 36 horas no Ar.


Sinopse do espetáculo:
ü A menina Victória sai em busca de flores para agradar sua mãe, como sempre fez. Na volta para casa, ela conhece Gepeto, um urso pra lá de divertido e muito dramático. Daí pra frente sua lista de amiguinhos só aumenta. Tatá é a ursa mais ciumenta e metida da floresta, sonha um dia casar-se. Oscar, o melhor amigo de Gepeto, é o coelho mais cara de pau que existe nas redondezas da floresta. A Bruxa, a mais pirada dos contos de fadas e finge ser malvada, mas lá no fundo tem um coração enorme! E por fim, Sabrina, a fada protetora dos animais.

O mistério será revelado! O amor dessa amizade vai encantar todo o público com suas ricas e divertidas coreografias, danças e brincadeiras. Uma diversão para toda a família!

RELEASE DO TEATRO 36 HORAS NO AR

Todo ano a Federação Estadual de Teatro, realiza um seminário, onde avaliamos nossas atividades durante o ano e planejamos o próximo. Neste sentido após muitas ideias, resolvemos fazer o projeto Teatro 24 horas no Ar, mas para isso precisávamos ter experiência de como ia funcionar os bastidores, principalmente a troca de cenário, bem como a iluminação, então resolvemos fazer o 12 horas de teatro como forma de estudar e resolver os problemas para alcançar o projeto 24 horas de teatro. Depois de duas edições do 12 horas, partimos para o 24 horas de teatro, onde já realizamos 3 edições, mas como os grupos e espetáculos que ficam fora do projetos também querem participar e a produção do Estado do Pará é grande, então agora vamos fazer o TEATRO 36 HORAS NO AR,  pois damos a oportunidade de mais 12 espetáculos se apresentarem no projeto.
Sabemos que os  grupos e espetáculos do interior do estado querer mostrar sua produção na capital e não ter acesso a isso, por demanda de mídia, infra estrutura, local de apresentação (teatro), onde requer um custo financeiro muito acima da realidade dos grupos do interior.
Este projeto realiza-se  uma vez por ano, como vitrine, avaliação e crescimento de produção dos espetáculos. Para isso teremos nos intervalos dos meses, oficinas, seminários, e apresentações em seus próprios municípios, para que a comunidade local conheça e perceba o crescimento dos seus artistas.

Realizar uma maratona teatral com duração de 36 horas sem intervalo, onde teremos 36 espetáculos de teatro do Estado do Pará.  Teremos a participação de 512 pessoas entre artistas e técnicos, com participação de 31 municípios.
Hoje a procura pelo projeto, movimenta mais de 80 municípios ocasionando a criação de uma curadoria para realizar a seleção e critica dos espetáculos que farão parte desta grande mostra.
Teremos uma praça de alimentação funcionando as 36 horas, bem como uma Feira do Livro Paraense, nossos autores estarão lá para autografar e bater um papo com o público.

SERVIÇO:
Teatro 36 Horas no Ar, começa as 10h00 do dia 13 de setembro até as 22h00 do dia 14 de setembro de 2014.
Local: Teatro do Centur.

ENTRADA FRANCA.  (por ordem de chegada).

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Espetáculo do XXVIII Festival é O MACACO MALANDRO EM UMA NOITE DE NATAL de São Sebastião da Boa Vista.

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Diretor, espetáculo A Casa da Madame Giza de Benevides.

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Ator do espetáculo Pó da Sedução de Oeiras do Pará.

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Atriz, espetáculo  A Casa da Madame Giza de Benevides.

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Ator Coadjuvante, espetáculo cagão na Praça de Santa Luzia do Pará.

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Atriz Coadjuvante, espetáculo O Carro dos Milagres de Bujaru.

Premiação do XXVIII Festival Estadual de Teatro.

Melhor Sonoplastia, espetáculo Acrobatas de Vênus de Tomé-Açu.